Cascavel, Segunda-feira, 10 de agosto de 2020

Leia mais

Comorbidades psíquicas

Falta de empatia, ausência de compaixão, fanatismo, messianismo: efeitos do vírus do ódio
Postado em 01/07/2020

Uma frase clássica e uma parábola dizem muito sobre nossos tempos. Ambas versam sobre a verdade e seu antônimo.

A primeira vem do frasista Mark Twain: “Uma mentira pode dar a volta ao mundo, enquanto a verdade ainda calça seus sapatos”.

A segunda, a parábola, tem autoria desconhecida e remonta o século XIX. O texto é uma preciosidade. E sua íntegra está publicada à parte, na página 05. Relata como a mentira é esperta, e muitas vezes aparece trajada com os panos da verdade. Percebo em alguns de nós um esforço enorme para crer na mentira travestida.

Quando surge uma morte por Covid em nosso entorno, nos inclinamos a obter duas informações: idade do paciente e comorbidades associadas.

Em alguns casos, agimos assim para buscar um alívio, uma justificativa. Somos jovens e saudáveis, estamos fora da área de risco. Em outros casos, agimos assim para diminuir aquele óbito. “Era velho mesmo. Muitos irão morrer. Tinha comorbidades”.

A primeira reação, a do “estamos fora da área de risco”, é mais envergonhada. Raramente admitimos recorrer a ela para nos aliviarmos.

Já a segunda segue uma lógica embalada na doutrinação política e surge a todo instante nas redes sociais.

Essa postura às vezes vem demonizando palavras como “pânico, sensacionalismo, desestabilização política”.

Na verdade não estamos preocupados com o pânico. Estamos preocupados em proteger nossas convicções políticas, salvaguardar nosso político do desgaste.

É a comorbidade psíquica, transmitida pelo vírus do ódio político, cujos sintomas são: falta de empatia, ausência de compaixão, fanatismo, messianismo, culto á personalidade, idolatria.

É verdade: também existe a turminha do “quanto pior melhor”, que deliberadamente usa os números trágicos para enfraquecer seus oponentes políticos. Por essa causa, são capazes de torcer por mais mortes.

Quem irá salvar-se da comorbidade psíquica transmitida pela ódio político? Quem ela irá matar, a jovem democracia brasileira ou os dispersores do vírus do ódio?

É uma escolha pessoal de cada um. Empatia, compaixão e amor ao próximo são poderosos descontaminantes e sanitizantes.