Cascavel, Sexta-feira, 10 de julho de 2020

Leia mais

Negócio da China?

Quem é o empresário “sino-cascavelense” que arrematou o imóvel do Atacado Liderança?
Postado em 18/06/2020

A Ilumisol, do empresário Daniel da Rocha, arrematou o imóvel que abrigava o Atacado Liderança, trazendo o epílogo de uma novela que envolveu controvérsia pública.

Chegou-se a cogitar o arremate da área pela Prefeitura de Cascavel, atendendo pleito do empresariado, para estabelecer no local o Centro de Convenções. A operação, de R$ 28 milhões, foi debatida na Câmara. Houve resistência. A avaliação inicial do imóvel era de R$ 44 milhões.

No último dia 29 de maio, Daniel, o iluminado, aceitou pagar R$ 19,3 milhões em “suaves” parcelas de R$ 484 mil, mediante sinal de R$ 4,8 milhões.

As custas totais, segundo fontes de mercado, passarão de R$ 20 milhões. Mas para o empresário Beto Casagrande, fundador do Liderança, o jogo pode dar em um sofrido zero a zero. É que as dívidas da empresa foram estimadas - quando decretada a falência - em R$ 19 milhões.

Daniel foi alvo de reportagem aqui no Pitoco no mês de fevereiro deste ano. Na ocasião, foi apresentado como diretor da maior empresa de energia solar do país. Antes de o corona infectar a economia, a Ilumisol fazia, periodicamente, 200 contêineres singrarem oceanos carregados com 130 mil módulos fotovoltaicos.

Ele é o “rei do sol”, com mais de 10 mil usinas fotovoltaicas instaladas em praticamente todos os estados brasileiros.

Olhos bem puxados

  • A Ilumisol credenciou-se como revendedora exclusiva de uma das maiores indústrias chinesas do setor, a Canadian Solar, sediada na rica Shenzhen, capital mundial da sustentabilidade, com 17 mil ônibus elétricos e toda a frota de táxis e veículos por aplicativos eletrificados.
  • Agressivos no mercado do sol, os chineses garantiram um crédito multimilionário para a Ilumisol, que cogitava faturar R$ 1 bilhão este ano, cifra que a essas alturas do campeonato deve estar meio coronada.
  • A proximidade com os súditos do reino vermelho de Xi Jinping suscitou boatos de uma suposta participação chinesa na Ilumisol, fato que o cascavelense rebate energicamente (com o perdão da redundância).
  • Daniel voltou ao noticiário recentemente, quando equipou o Hospital de Campanha, no Centro de Eventos, em misto de altruísmo com acordo de cavalheiros firmado no Paço. Possivelmente os materiais usados no hospital são “made in China”. Mas como questionou aquele sujeito, “e daí?”