Cascavel, Domingo, 23 de fevereiro de 2020

Leia mais

O sol é o limite

Aos cinco anos de idade, empresa cascavelense assume a liderança nacional no setor fotovoltaico e anuncia o lançamento simultâneo de 40 usinas solares
Postado em 12/02/2020

Show Rural 2015 - São Pedro amanheceu mal humorado. Enviou muitos milímetros de H²O para o parque tecnológico da Coopavel. Um gaúcho recém-chegado havia locado um estande na área mais barata do parque. E podia ser visto com balde e panos lutando contra a natureza, no caso, a inundação do estande de 150 metros. O rapaz do balde se chama Daniel da Rocha.

Show Rural 2020 - Daniel, o cara do balde, não teme mais a água. A propósito, nem o oceano. No momento em que ele comanda uma equipe imensa no estande de 600 metros, dezenas de contêineres etiquetados em nome da empresa dele, a Ilumisol, singram o Pacífico e o Atlântico com destino a 60 operações espalhadas pelo Brasil.

São duzentos containers com 13 mil placas solares importadas por Daniel todos os meses. O encharcado cara do balde agora é o maior empreendedor de energia solar do País. A empresa tem sede em Cascavel, distribuída em seis barracões, e soma 60 franquias em todos os estados brasileiros. No final da tarde da última terça-feira, Daniel reuniu parceiros e anunciou 40 usinas solares para locação.

Uma delas será em Cascavel, com quase 5 mil módulos, capaz de produzir 2,1 megawatts, a maior do Sul do Brasil. A planta estará pronta em junho próximo. Números grandes não assustam mais o jovem empreendedor de 38 chuvosos verões. Ele assina 10 mil obras no Brasil. Instalou meio milhão de painéis. Cresceu tanto que foi credenciado distribuidor exclusivo de uma das maiores indústrias solares do planeta, sediada em Shenzhen, na China.

ARREDIO - Não foi fácil para o editor do Pitoco obter uma entrevista com o homem. Foi preciso persistir. E não é porque “subiu à cabeça”. É porque ele reluta em aparecer. Perguntamos: “É verdade que a Ilumisol vai faturar R$ 1 bilhão neste ano? Procede que você é o maior do país?”. Daniel encurta a conversa: “Não me sinto confortável em me colocar nesta posição”, disse.

O homem do balde terá que superar a timidez. O Agrishow, em abril próximo, no rico interior de São Paulo, sediará um encontro do grupo que ele lidera. São mais de 4 mil profissionais, entre diretos e franqueados, reunidos em uma espécie de convenção patrocinada por clientes grandes da Ilumisol, como Santander e a Canadian, gigante dos módulos fotovoltaicos.

Ali algum outro jornalista curioso e persistente irá sabatinar o cara do balde. “Quem está na chuva é pra se queimar”, dizia o folclórico Vicente Matheus. O sol nasceu para todos, mas somente alguns iluminados souberam o que fazer com os raios, trovoadas e nuvens negras emanadas do céu...

Uma pergunta

Pitoco – O astro-rei vai morrer? Qual é o limite estimado para o Sol?

Revista Superinteressante (edição de julho de 2018) - Sim, vai morrer. Sem ele, a vida na Terra não tem chance. Mesmo que a humanidade conseguisse inventar um Sol artificial, o verdadeiro provavelmente engoliria nosso planeta em seu processo de extinção. A data da tragédia já está marcada, porque é possível deduzir, mais ou menos, quando o combustível do Sol irá acabar: daqui a 7,5 bilhões de anos.