Cascavel, Quinta-feira, 23 de maio de 2019

Leia mais

Por que ele não vem?

O projeto centenário do reitor da Unicesumar e a possibilidade de investir no município de Cascavel
Postado em 01/03/2019

O reitor da Unicesumar recebeu um grupo de cascavelenses no último dia 12 de fevereiro, na ampla sede da universidade, em Maringá. Ainda antes da recepção pessoal, um secretário conduziu os visitantes até a faraônica sala do conselho de administração e rodou um vídeo institucional.

Wilson de Matos Silva gosta de mostrar a Unicesumar e de compartilhar os avanços obtidos. Afinal, quando ele montou o campus em um terreno que servia de lixão, havia 178 alunos.
Hoje são 175 mil matriculados. Matos posicionou a universidade entre as oito maiores do país com uma gestão religiosamente conservadora e austera.

Evangélico praticante, ele abre as palestras que faz ao receber os novos alunos com frases fortes: “Não aceito relacionamento homoafetivo aqui. Também não aceito relacionamento hetero. Aqui não é lugar para namorar. É lugar para estudar”.

E vai além: afirma com todas as palavras que mais de 60% dos estudantes que chegam ao terceiro grau foram enganados até aqui. Em outras palavras, fingiam que aprendiam enquanto alguns mestres fingiam que ensinavam.

No ano passado, a Unicesumar reprovou oito acadêmicos de Medicina. E eles – ou os pais deles – gastam quase R$ 10 mil mensais para bancar o curso. “Aqui não tem jeitinho”, afirma. Obcecado, ele paga 300 fiscais nas provas do vestibular para impedir a cola. “Aqui não tem cola, nem no vestibular, nem durante o curso”.

Ao final da palestra, em que as duríssimas regras do jogo são expostas, o reitor aponta para um dos seus secretários e diz: “Se você estudante não se enquadra neste regime, converse na saída com aquele colaborador nosso e formalize sua desistência. Na próxima semana tudo que você pagou para se matricular estará depositado em sua conta”.

Pretensão secular
Descontraindo a conversa, o reitor invoca um parentesco distante com um tal Matusalém – que segundo a Bíblia viveu 969 anos - para dizer de sua meta pessoal: viver até os 120 anos. Para tanto, ele segue rituais gastronômicos próprios e cuidados especiais ofertados pelos melhores recursos que a medicina oferece a quem pode pagar por eles.

A questão é: em que momento de sua vida secular o reitor trará um campus da Unicesumar para Cascavel? Aqui um segredo revelado para a comitiva cascavelense. Wilson era muito próximo de Candinho, o fundador da Unipar (in memoriam).

E havia um acordo com Candinho para que a Unicesumar não entrasse na área da Unipar. Wilson é um cumpridor de acordos, e mesmo após a morte do amigo reluta em pôr os pés aqui. Mas há uma porta que pode se abrir...

Quase ministro
Se dependesse do todo-poderoso ministro da Economia, a educação no Brasil estaria aos cuidados do reitor da Unicesumar. Wilson de Matos Silva era o nome preferido de Guedes, que chegou a sugeri-lo para o Ministério da Educação.

Bolsonaro acabou optando pelo colombiano Ricardo Rodríguez, mais alinhado com a linha ideológica olavista.

De toda forma, o reitor elencou nove medidas para o setor e fez chegar ao novo ministro. Afinal, de gestão ele conhece. Basta comparar com sua vizinha, a Universidade Estadual de Maringá (UEM). A pública tem o dobro do orçamento da Unicesumar e apenas 20% dos alunos.

Wilson de Matos Silva é crítico da “catequização ideológica” nas universidades e alinhado com teses conservadoras como as da Opus Dei.

Tanto assim, que incentivou e permitiu a construção de um mosteiro gigante da ultraconservadora TFP - Tradição, Família e Propriedade, em área contígua de sua fazenda.