Cascavel, Sábado, 20 de abril de 2019

Leia mais

A avenida segregada

Apressadinhos, fujam para a Paraná e a Rio Grande, vem aí a “área calma” na Avenida Brasil
Postado em 24/01/2019

A frota de motos de Cascavel carregaria em suas garupas toda a população de Assis Chateaubriand. Já são mais de 30 mil motocicletas. O número total de veículos está chegando a 230 mil. É um veículo para cada 1,4 habitante. Nos últimos cinco anos, a frota cresceu 12 vezes mais que a população.

É neste cenário engarrafado que a Avenida Brasil vai estreitar 33% antes do carnaval chegar. Uma das três faixas, já demarcada, será exclusiva para o transporte coletivo. Não é o projeto dos sonhos dos inquilinos do Paço, mas é o que está firmado entre Cascavel e o BID em contrato.

“Sempre fui contrário ao ônibus na Avenida Brasil”, disse Paranhos. “Mas além do contrato de financiamento internacional que precisamos cumprir sob pena de respondermos judicialmente, também é preciso parar com isso do prefeito que entra desmanchar obra de seu antecessor”.

Essa fala põe um ponto final no assunto. Agora até os mais de 12 mil tachões que dividiram a avenida entre individual e coletivo, sabem que há outros pontos irrevogáveis, como os loopings, já que nem mesmo as urnas permitiram a conversão a esquerda por aqui.

Mas há saídas bolsonarianas, a direita. A avenida Brasil “ensanduichada” será um convite para maior utilização das vias paralelas, Rio Grande do Sul e Paraná – locais onde, inclusive, a “onda verde” funciona bem e dispensa o looping.

Há outro motivo para acionar as paralelas: no trecho mais movimentado da Brasil, onde grande parte dos 55 mil usuários do ônibus embarca ou desembarca, será instituída a “área calma”. Neste trecho, provavelmente entre a 7 de Setembro e a Barão do Cerro Azul, a velocidade máxima cai para 40 km/h.

E para não dizer que não falamos de flores, uma “barreira” de floreiras tentará impedir que os usuários do ônibus atravessem a Brasil fora da faixa de pedestres. A ideia anterior era pior: implantar cercas nas estações.

Em tempo: Você, fã do transporte individual, que utiliza menos de 10% da vida útil de seu veículo (carros ficam mais de 90% do tempo estacionados enquanto depreciam e pagam impostos) vai render em IPVA para a Prefeitura algo em torno de R$ 66 milhões em 2019. Que tal trocar seu bólido por uma bike?

Editorial

As principais cidades do planeta atuam para desestimular o uso do carro na área central. E em muitas delas, como Nova York, a área calma dos 40 km/h é regra, com significativa redução de 30% nas mortes no trânsito. Mas há soluções mais radicais, como Londres, onde foi estabelecido o pedágio urbano. Para rodar no centro, tem que pagar o equivalente a R$ 40. Haverá choro e ranger de dentes na avenida Brasil. Mas é melhor jair se acostumando...

Rabo solto

Ela falou

“Nada é mais estratégico do que a segurança alimentar da população. Mas isto não é razão para o Estado plantar batatas”

(Margaret Hilda Thatcher, ex-primeira ministra do Reino Unido, sobre o caráter “estratégico” das empresas estatais)

Ele falou

“Perdemos os bancos públicos para associação perversas entre piratas privados com burocratas corruptos e criaturas do pântano político”

(Paulo Guedes – super-ministro bolsonariano da economia)

Falou & disse

“Me chamaram de maluco, mas o mundo não deve nada as pessoas normais”

(Luciano Hang, dono da Havan, que usou peruca na campanha eleitoral e gravou vídeo cortando melancia a golpes de facão)