Cascavel, Sábado, 17 de novembro de 2018

Leia mais

Sangue nos dentes

Paranhos recua, tira o Centro de Eventos da pauta, mas deixa a estaca no peito do vampiro
Postado em 27/10/2018

Quarta-feira, dia 24 de outubro, meio da tarde. O diretor de Comunicação do Paço, Paulo Alexandre, deixa o gabinete do prefeito Paranhos. Ele havia cumprido a missão que lhe foi confiada. Entregou nas mãos do chefe duas notas distintas e cuidadosamente redigidas. Conforme o resultado das consultas políticas que o prefeito fazia naquele momento, uma  iria para o lixo, outra para a imprensa. A nota eleita foi divulgada quase uma hora depois. E trazia no texto a palavra “vampiro”. Até agora não se sabe se a nota preterida abrigava algum outro ser mitológico.
Fato é que o texto divulgava a decisão de retirar da Câmara o projeto que autorizava o prefeito a financiar pela Caixa R$ 28 milhões para aquisição do Atacado Liderança, imóvel edificado em 3,5 alqueires às margens da BR 277 - local eleito pelo Paço e significativa parcela do empresariado para abrigar o novo centro de convenções e eventos. Paranhos disse que uma “articulação nojenta”, incluindo empresários de fora, agiu como “verdadeiros vampiros” para, segundo ele, criar dificuldades na “consolidação de importante projeto de negócios e turismo”.
O Paço havia apresentado um pacote na linha pague um e leve dois. Compra-se o imóvel na 277 e destina-se o barracão que hoje serve a duras penas ao centro de eventos para o almoxarifado central do município. Concentrar as compras da ordem de R$ 300 milhões/ano em um único lugar, fechando históricos ralos da corrupção era a parte mais fácil de explicar. Até porque o município paga cerca de R$ 720 mil/ano para esta finalidade em aluguéis de imóveis sob precário controle.  Porém, convencer a sociedade de pegar dinheiro emprestado para arrematar o Liderança foi mais penoso.
As antenas sensíveis do político Paranhos captaram o mau humor nas redes sociais de expressivo contingente do eleitorado cascavelenses com o tema. E preferiu adotar um ensinamento milenar da sabedoria oriental: um passo atrás agora, para vislumbrar dois à frente depois.
O recuo, no entanto, deixou uma estaca afiada apontada para o peito dos supostos vampiros: a nota do Paço fala em desapropriar o imóvel para fins de utilidade pública. Efeito colateral da medida : o principal ativo para ressarcir os credores do Atacado Liderança poderá ficar indisponível por cinco anos. Falta combinar com o juiz Pedro Ivo.


Editorial

Na mitologia e no cinema, o vampiro é morto com uma estaca cravada no peito. Alternativamente, o homem morcego também pode ser eliminado a partir da luz do dia emanada dos raios do astro rei. Vampiros e inverdades são seres da escuridão, não suportam a claridade. Importante que o Paço nomine os seres de longos dentes caninos ensanguentados que estão vampirando nossa cidade. Assim, saberemos se estamos navegando no mundo das lendas e dos mitos ou diante de inimigos de Cascavel que precisam ser enfrentados à luz do sol.