Cascavel, Quarta-feira, 17 de outubro de 2018

Leia mais

Conjugue o verbo banir

Lute para obter o direito e a condição de escolher quem vai ficar perto de você

Carregamos na bagagem da vida o ônus e o bônus do envelhecimento. O ônus está literalmente na cara: pés de galinha, de peru, melenas escassas, a “lata” não ajuda muito e aquela barriguinha já não pode ser disfarçada.

Mas há também o bônus. E o melhor deles é a serenidade que somente as agudas experiências anteriores podem proporcionar. Isso vale muito.  Outra vantagem que pode surgir aos prateados pelo luar do tempo, está relacionado na condição de poder escolher de quem ficar perto.

E essa premissa pode ser aplicada inclusive às redes sociais. Sabe aquele sujeito alucinado que entra nos comentários em letras maiúsculas falando palavrões, rotulando você, insultando todo mundo que não pensa igual ele?

Sabe né? Experimente pressionar o dedinho sobre o comentário na tela do seu celular. Vai surgir a opção “banir”. Aperte com gosto. Conjugue o verbo banir. Dá um alívio, uma sensação que a agressão vai cessar, um gostinho de vingança, embora este seja um sentimento pouco nobre.

Certo, haverá uma curtida a menos na sua página. Você baniu alguém em sumário julgamento. Mas depois dos 50, você não precisa mais fazer média, não precisa de popularidade, dispensa a quantidade e valora a qualidade das companhias.

“Evite pessoas barulhentas e agressivas. Elas são um tormento para o espírito”, ensina um dos mais belos textos já produzidos, “Desiderata”.  E lembre-se: o ônus virá para todos, é debitado biologicamente no holerite da existência. O bônus só virá para os serenos que reúnam coragem e sabedoria para afastar os barulhentos e agressivos do seu entorno. Banir é o verbo da hora!

 

Pensata

“Muitas pessoas são como caminhões de lixo. Andam por aí carregadas de lixo, cheias de frustrações, cheias de raiva, traumas e de desapontamento.

À medida que suas pilhas de lixo crescem, elas precisam de um lugar para descarregar, e às vezes descarregam sobre a gente. Não tome isso pessoalmente. Isto não é problema seu!

Apenas sorria, acene, deseje-lhes o bem, e vá em frente. Não pegue o lixo de tais pessoas e nem o espalhe sobre outras pessoas.

Fique tranquilo... respire, e deixe o lixeiro passar.

A vida é 10% o que você faz dela e 90% a maneira como você a recebe!”

(Extraído do texto  “A lei do caminhão de lixo”, de autoria desconhecida)