Cascavel, Sexta-feira, 18 de outubro de 2019

Colunas

Negócios

Matheus B. Sobocinski

Consultor de empresas e empreendedor

Puro marketing

É como tentar matar uma barata usando um míssil, enquanto o que você realmente precisava era apenas de um chinelo

Publicado em: 22/09/2017

Em nossa última coluna, discorremos acerca de “criação de valor”, uma estratégia empresarial voltada a persuadir seu cliente a trocar o dinheiro dele pelo seu produto. Para tanto, o comprador precisa estar certo de realizar um bom negócio, ou seja, algo que ele realmente precise, por um valor que ele esteja disposto a pagar e que satisfaça suas necessidades – a famosa “lei de ferro do mercado”.

Mas, para que um negócio realmente se concretize, é necessário muito mais do que um bom produto a um preço competitivo. Não basta apenas oferecer valor. As pessoas precisam saber o que você tem a oferecer. Isso chama-se marketing.

Muita gente acaba confundindo marketing e vendas, e apesar das estratégias de marketing direto, é importante salientar que para um negócio de sucesso, tais atividades devem ser tratadas separadamente. Enquanto o marketing trata de colocar sua empresa no mapa, o objetivo das vendas é fechar o negócio.

Marketing é conseguir atrair a atenção de potenciais clientes ao seu produto ou serviço para então fechar vendas lucrativas. Mas você pode imaginar que isso é fácil. Chamar a atenção de compradores depende apenas de investimento em mídia. E é aí que as empresas mais tropeçam.

Uma boa estratégia de marketing não precisa, necessariamente, de um grande investimento. É bom estar em evidência e colocar sua marca no horário nobre da TV, mas você já parou para pensar na porcentagem da audiência que realmente estaria disposta a comprar seu produto ou serviço? Se você não atua como um gigante do varejo, sua estratégia pode estar errada. É como tentar matar uma barata usando um míssil, enquanto o que você realmente precisava era apenas de um chinelo.

Por isso, concentre-se em seu público alvo e conquiste a atenção das pessoas que realmente têm chance de comprar de você – o seu “comprador provável”.

Falamos também, na coluna anterior, sobre os impulsos humanos essenciais. Fazendo uma conexão com o assunto tratado aqui, percebemos que qualquer estratégia de marketing de sucesso está conectada ao resultado final desejado pelo cliente. Normalmente visto como uma experiência ou emoção relacionada diretamente a um impulso humano essencial. Explico: auando um senhor de 50 anos compra uma Harley-Davidson, ele compra também o sentimento de aventura, liberdade e destemor, entre outros.

O marketing, portanto, deve sempre ter em mente o resultado final que interessa ao cliente. O que ele realmente procura em seus produtos ou serviços? O que sua oferta é capaz de proporcionar a ele? Agora você entendeu porque os vendedores de carro sempre insistem no test-drive. Para dar ao cliente a verdadeira sensação de estar dirigindo um veículo zero quilômetro, com todos os recursos tecnológicos e cheirinho de novo. Difícil resistir.

Depois que desenvolver um excelente produto, por um ótimo preço, encontrar seus clientes potenciais e apresentar seu trabalho, você irá perceber que agora já está no mercado. A próxima tarefa é se manter nele. Para isso é muito valioso que você construa uma ótima reputação. A maioria dos clientes está disposta a pagar muito mais por uma boa reputação.