Cascavel, Sexta-feira, 18 de outubro de 2019

Colunas

Negócios

Matheus B. Sobocinski

Consultor de empresas e empreendedor

Ao infinito e além!

Musk vai a Marte e o mundo não vai esperar Cascavel

Publicado em: 20/06/2017

O ano é 2030. Lideranças políticas e empresariais do Oeste do Paraná se acotovelam para sair na foto oficial do descerramento da faixa que, enfim, inaugura o Aeroporto Regional do Oeste.

Fruto do esforço e colaboração de nossos representantes, a parceria entre Cascavel, Toledo e Tupãssi finalmente decolou e presenteou nossa região com um belíssimo aeroporto localizado entre os três municípios. Pista de 2,5 quilômetros, terminal amplo, estacionamentos, enfim, tudo o que os cidadãos do Oeste do Estado sempre sonharam.

Enquanto isso, não muito longe daqui, o bilionário americano Elon Musk (dono da Tesla,  SpaceX, entre outros), já envia de forma regular, desde 2024, missões tripuladas a Marte. Ao custo de US$ 200 mil dólares por pessoa, as naves com capacidade para cem passageiros viajam a uma velocidade cruzeiro de 100 mil km/h, demorando entre 80 a 150 dias para ir da Terra a Marte, dependendo da posição dos planetas.

Voltando ao presente e sem a menor intenção de criticar o esforço de todos os envolvidos, tenho assistido aos festejos sobre o aeroporto, como se fosse uma conquista incrível para a cidade de Cascavel. Partindo do pressuposto de que já temos um aeroporto extremamente defasado aos anseios e necessidades da região (alguém já precisou usar o banheiro do nosso aeroporto atual?) e que essas estórias sempre reaparecem de quatro em quatro anos, precisamos entender que não é possível comemorar uma obra que talvez se torne realidade daqui a 13 anos. Aeroporto, trevo Cataratas, duplicação, ferrovia, enfim, desenvolvimento. O mundo não vai esperar por Cascavel.

Para se ter uma ideia, nossa capital, Brasília, foi erguida do zero em pouco menos de quatro anos. A Torre Eiffel levou pouco mais de três anos pra sair do chão. Em 1883, os americanos construíram a Brooklyn Bridge, em pouco mais de 10 anos. Já foi a maior ponte suspensa do mundo e conta com 1.834 metros de extensão. Um marco para a engenharia da época.

“Não temos o direito de frear o sonho das pessoas”, diz Leonaldo Paranhos. Segundo ele, “(...) algumas horas de produção pagam esse investimento”. Pois bem, fica provado que temos dinheiro e condições para realizar tal empreendimento em muito menos tempo e olhando muito mais para o futuro, do que para o presente.

Bem, meu sonho para Cascavel está muito longe desse projeto atual. Eu me contentaria com um aeroporto parecido com o de Viracopos, se fosse construído nos próximos cinco anos. Nem precisaria ser tão grande. Um mini-Viracopos. Com condições de receber aviões de carga e jatos comerciais, voos regulares para vários destinos, incluindo as principais capitais do país, uma boa infraestrutura, entre outras comodidades e facilidades que colocariam Cascavel, definitivamente, no mapa.

Eu dispensaria, inclusive, os voos diretos para Marte, partindo do Aeroporto Regional do Oeste.  Acho que não teríamos fluxo de passageiros suficiente.

Em tempo: A SpaceX planeja enviar uma cápsula não tripulada, denominada “Dragon”, a Marte em 2018 com o objetivo de preparar o caminho para uma primeira missão tripulada que partiria da Terra em 2024 e chegaria ao planeta vermelho no ano seguinte.