Cascavel, Sábado, 22 de setembro de 2018

Leia mais

Apitou o trem de R$ 10 bi

Coreanos largam na frente na disputa pela ferrovia Dourados/Paranaguá, com ramal em Cascavel

Há uma luz no fim do túnel. E a boa notícia é que pode ser o trem. Foi para os trilhos o projeto ferroviário estimado em R$ 10 bilhões, ligando Dourados (MS) a Paranaguá. O traçado tem mil km e consolida Cascavel como um dos principais entroncamentos rodoferroviários do país.
O projeto foi apresentado em São Paulo no ano passado. Investidores reunidos em quatro consórcios diferentes manifestaram interesse. Entre eles, grupos americanos, espanhóis, franceses e coreanos. Estes últimos avançaram mais no processo. A coreana Pyunghwa Engineering Consultants (PEC), entregou oito propostas de traçado e já partiu para novas etapas no estudo de viabilidade.
Edson Vasconcelos, engenheiro e presidente da Acic, acompanha de perto os desdobramentos. Ele detalha o projeto coreano. A velocidade inicialmente projetada para o “cavalo de ferro”, de 150 km/h, veio para mais realistas 100 km/h, “o que significa que no operacional, a velocidade média deve ficar em 80 km/h”, diz o empresário.

Não chega perto dos trem-bala chineses, mas na comparação com o que temos, é significativo. Os trens hoje fazem uma média de 12 km/h. “São mais vagarosos que um ciclista”, diz o engenheiro ferroviário Paulo Ferraz, veterano da Rede Ferroviária Federal.
“Quando um comboio sai de Cascavel e chega a Guarapuava, caminhões que partiram do mesmo lugar já estão descarregando suas cargas nas moegas do Porto de Paranaguá!”,  aponta o jornalista Celso Nascimento (Gazeta do Povo).
Mas isso pode mudar. Vasconcelos acompanhou visitas recentes dos executivos associados aos coreanos nas cooperativas da região. “Avaliou-se nestas conversas que o projeto está cada vez mais consistente, a ferrovia está entre as duas mais viáveis do Brasil, pois já temos as cargas”, relata Vasconcelos.
Ferroeste concedida  - O projeto divide o percurso em dois trechos. Um deles, de 400 quilômetros, segue de Guarapuava a Paranaguá descendo a serra do mar em traçado paralelo a BR 277. O segundo trecho prevê a revitalização do trecho de 250 quilômetros da Ferroeste, entre Guarapuava e Cascavel, que será concedido para os investidores privados. Prevê também a construção do trecho de 350 quilômetros entre Cascavel e Dourados.
Estima-se que o trem que surge lá ao longe, no túnel do tempo, obtenha cargas de 10 milhões de toneladas, principalmente do agronegócio. Não há por que duvidar. Do contrário, americanos, franceses, espanhóis e coreanos não estariam perdendo tempo e dinheiro nesta disputa.