Cascavel, Segunda-feira, 24 de setembro de 2018

Leia mais

Jornal de Cascavel ataca a Unioeste

Informativo alega que os docentes não querem assumir trabalho em sala de aula

 No último dia 13 de abril um determinado Jornal de Cascavel produziu matéria atacando os docentes da Unioeste e distorcendo a realidade do trabalho docente em nossa instituição. Tal matéria se soma a outros ataques à Unioeste e às universidades públicas. Querem fazer a população acreditar que os “professores não dão aulas, preferem orientar alunos e estágios”, que o sindicato (Adunioeste) “convoca os docentes para enfrentar a tentativa de coloca-los em sala de aula por pelo menos quatro aulas na graduação”.

O jornal faz afirmações que demonstram total desconhecimento da realidade da Unioeste e do trabalho que os docentes desenvolvem numa universidade. Diante da matéria produzida pode-se concluir que ou o autor do texto nunca estudou numa universidade, portanto, desconhece algumas questões óbvias ou está agindo de má fé. Diante das afirmações contidas no jornal cabe inicialmente informar que o trabalho dos professores universitários não se resume apenas a ministrar aulas nos cursos de graduação.

O artigo 207 da Constituição Federal determina que as universidades “obedecerão ao princípio de indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão”. Portanto, de acordo com a Constituição Federal, os professores universitários deverão desenvolver atividades de ensino, pesquisa e extensão. Além disso, o autor da matéria demonstra estar desinformado, ao desconsiderar que as atividades de ensino não se resumem às aulas teóricas nos cursos de graduação.

O trabalho dos professores da Unioeste é regulamentado internamente por meio da Resolução nº 034/2000 do Conselho Universitário que determina como atividades de ensino: a) docência de disciplina teórica e/ou prática; b) orientação e supervisão de prática de ensino e estágio; c) orientação de monografia e/ou trabalho/projeto de conclusão de curso/dissertação/tese; d) apoio didático (preparo de aula, correção de prova, coleta e preparação de material didático e atendimento ao aluno); e) orientação de monitoria. Esta resolução regulamenta por quase vinte anos o trabalho dos professores da Unioeste. A partir do ano de 2000, ano da aprovação da Resolução nº 034/2000, a Unioeste vem se consolidando como uma das mais respeitáveis e qualificadas universidades do país.

A Unioeste tem crescido muito por conta do esforço e dedicação dos docentes, agentes universitários e estudantes. A Unioeste conta atualmente com 64 cursos de graduação, 15 Residências na área da Saúde (Enfermagem, Farmácia, Fisioterapia, Medicina, Odontologia) 36 cursos de Mestrado (acadêmico e profissional) e 13 cursos de Doutorado.


Portanto, os professores da Unioeste trabalham e trabalham muito. Talvez o autor da matéria não saiba que os processos de avaliação dos cursos de graduação e de pós-graduação, realizados pelo governo federal, atestam que a Unioeste é uma das melhores universidades do Paraná e do Brasil. Tais processos de avaliação são realizados pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - Inep e pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – Capes, instituições vinculadas ao Ministério da Educação. Por último cabe destacar que o sindicato é favorável ao debate interno à Unioeste de todos os problemas que enfrentamos. Não há nenhum problema em rediscutir nossas resoluções internas. O problema que o sindicato tem levantado é que a Reitoria da Unioeste para se adequar às determinações do governo Beto Richa, desde o ano passado, vem aplicando ajustes que podem colocar em risco os avanços e conquistas da Unioeste.

Conquistas do trabalho coletivo (agentes universitários, estudantes e professores) que fizeram da Unioeste uma das melhores universidades do país, um patrimônio do povo do Paraná. Não aceitaremos ataques aos docentes desta instituição. Quem quiser escrever algo sobre a Unioeste precisa agir com muita responsabilidade, precisa se informar antes de emitir opiniões apressadas que não encontram amparo na realidade concreta. Estamos à disposição para prestar esclarecimentos e informações que possam contribuir para que os meios de comunicação divulguem os verdadeiros problemas enfrentados pela Unioeste: drástica redução dos recursos de custeio das atividades de ensino, falta de recursos federais que colocam em risco o funcionamento dos Restaurantes Universitários e a política deliberada do governo estadual em não contratar agentes universitários e docentes efetivos, por meio de concurso público, que tem acarretado problemas para o funcionamento regular das atividades de ensino, pesquisa e extensão, bem como para o atendimento à população no Hospital Universitário.

INFORMATIVO 8/2018 - 16 de abril de 2018 - ADUNIOESTE SINDICATO DE DOCENTES DA UNIOESTE (Seção Sindical do Andes – Sindicato Nacional) www.adunioeste.org.br