Cascavel, Sexta-feira, 24 de novembro de 2017

Leia mais

Profissão, estatueiro!

Embora morando a 3 quilômetros de uma das praias mais badaladas do Brasil, faz mais de um ano que ele não põe o pé na areia

Sanderson é catarinense de Balneário Camboriu. Lá ele dá expediente construindo barcos e estátuas em fibra de vidro.
Inicialmente, a empresa que o emprega se especializou em produzir orelhões. Como o celular baratinho ensurdeceu os orelhões, a empresa migrou para o setor de estátuas e passou a atender um único grande cliente, a Havan.
A empresa já produziu 29 estátuas para o Luciano Hang. Este ano foram quatro: Cacoal (RO), Rio Branco (AC), Indaial (SC) e Cascavel.
Sanderson, o sogro e um colega fazem tudo: produzem a réplica da Estatua da Liberdade em Balneário e viajam à cidade destino para montar e instalar. Foi assim que os três estatueiros rodaram cinco dias espremidos em uma camionete de Santa Catarina até  Rondonia. “Foi tenso”, diz o peão. Ele explica que são necessários 3 meses para produzir uma estátua. E que o transporte até Cacoal devorou 25 dias.
Sanderson não reclama do trabalho. Embora morando a 3 quilômetros de uma das praias mais badaladas do Brasil, faz mais de um ano que ele não põe o pé na areia. “O dono da Havan diz que fará 200 lojas até 2022. Para mim é ótimo. Se tem loja nova, tem estátua pra gente fazer”.
Em tempo:  consultado, ontem, pelo Pitoco, Luciano Hang revelou o preço unitário da estátua: R$ 1 milhão.