Cascavel, Domingo, 18 de fevereiro de 2018

Cartas

Enviada por: Alceu A. Sperança
Postada em 10/11/2010
Caro Jairo:

Os rastaqueras que desfilam com carrões não têm a menor ideia da história da II Guerra e menos ainda da história do Brasil.

Alguns nem mesmo conhecem a história da própria família: eram sem-terras, sem nada, que só conseguiram alguma coisa porque tiveram uma oportunidade.

Uma oportunidade pela qual alguém lutou e deu sangue para que essa oportunidade surgisse.

Em outubro, comemoram-se os aniversários da Guerrilha de Porecatu (1950) e da revolta do Sudoeste (1957).

Foram essas lutas que abriram caminho à riqueza dos ruralistas do Norte, Oeste e Sudoeste do Paraná.


Alceu A. Sperança 
Enviada por: Olga Bongiovanni
Postada em 10/11/2010
Amigo Jairo,
Meus horários mudaram, agora leio nosso Pitoco a essa hora, mais de 10 da noite e como fiquei feliz com uma notícia.
O João Fadanelli!!!!!!!!! que FELICIDADE.
Este homem e sua esposa são um exemplo.
Já até anotei o telefone pra quando for aí.

obrigada


Olga Bongiovanni 
Enviada por: Silvio Cláudio Bueno.
Postada em 10/11/2010
Estimado Jairo Eduardo:

Há uma incorreção no editorial do Pitoco de 28/07/09 (nº 1350), pois embora faça parte do tripé da teoria de Marx (junto com o materialismo e o valor-trabalho), a DIALÉTICA foi desenvolvida pelos gregos cerca de 2.200 anos antes do pensador alemão incorporá-la à sua teoria.

Provavelmente o fundador da dialética foi Zenão, que viveu 400 anos antes de cristo.

Assim, o conceito de que "do confronto entre a tese e a antítese surge a síntese" NÃO é criação do catecismo marxista, até porque os grandes pensadores gregos (Sócrates, Platão e Aristótoles) já faziam uso dele.

Após muitos séculos esquecida, a dialética foi retomada por HEGEL, pensador alemão do início do século XIX, que aprofundou seus conceitos, e a dialética incorporada por Marx na sua teoria foi a dialética hegeliana.

É isso.

Um grande abraço.

Silvio Cláudio Bueno. 
Enviada por: Alceu A. Sperança
Postada em 10/11/2010
Caro Jairo:

Nem todo sujeito que se diz democrata é democrata.

Aldo Rebelo nunca foi "líder comunista", como ninguém chama Renan de "líder democrático" nem Osmar Dias de "líder trabalhista".

Rebelo é um pequeno-burguês, financiado por "bons" capitalistas.

Não há como confundir quem se diz "comunista", como os pequeno-burgueses do PCdoB, com quem é revolucionário.

Desculpe a provocação: sei que você sabe a diferença!

Alceu A. Sperança 
Enviada por: Moacir Lopes
Postada em 10/11/2010
Meu Caro Jairo e Demais jornalistas editores do PITOCO

Em que pese todos os problemas de afastamento com atestado exposto no Jornal Pitoco da Edição do dia 23 de Junho, acredito que a Prefeitura de Cascavel, deveria implantar um Programa de Saúde do Trabalhador, buscando na prevenção minimizar a questão da saúde, e a partir deste processo buscar uma solução para tantos afastamentos. No entanto, chamou atenção a discussão sobre o "fim da estabilidade" dos Servidores Públicos" no comentário feito pelo editor. O instituto da Estabilidade foi colocado na Constituição Brasileira para todos os servidores públicos, não para proteger apadrinhados políticos, mas sim para evitar que os servidores públicos fiquem sujeitos aos interesses dos Prefeitos, Governadores e Presidente da República, que não hesitariam em demitir os servidores que recusassem a conceder beneficios aqueles que financiaram suas campanhas. Imagine um Delegado da Polícia Federal, um Procurador da República, um Juiz Federal ou Estadual ou até mesmo um simples barnabé do INSS, que por espirito público, denuncie, prenda ou até negue algum pedido de um poderoso empresário, banqueiro, ou político que pretendesse aposentar algum parente? Se estes não estivessem amparados pela estabilidade? Certamente seriam sumariamente demitidos!
Acredito que existe no Regime Juridico do Municipio, do Estado e tem na União Federal, normas que regulamenta esta questão do afastamento por saúde e ou outros mecanismo. E finalizando meus Caros, os Servidores que mais faltam ao serviço sem nenhum tipo de punição são os Senadores, Deputados Estaduais e Federais e Vereadores, que trabalham poucos dias por semana, e recebem um alto salário. Como dizia o velho e bom Karl Marx: "ao jogar água fora do banho da criança, há que separar da água a criança, jogando tão somente fora a água suja"". Ou então a Biblia sagrada, "Separar o joio do trigo, podem até ser semelhantes mas não iguais".

Moacir Lopes
Diretor do SINDPREVS/PR 
Enviada por: Dulce
Postada em 10/11/2010
Oi Jairo,

Ficou muito bom. Obrigada. Só para corrigir para a posteridade. Joelcy Lanzarin/ Estêvão/ e Dárcy Vera.

aliás, li a notinha do casamento do Gustavo, filho da Olga. O traje do casamento dele foi feito por um alfaiate tradicional aqui em Ribeirão Preto, "seu" Zezinho. Há alguns dias atrás o encontrei lá provando o terno. FICOU BELÍSSIMO.


Se vc puder numa oportunidade, coloque que o Deputado Eduardo Sciarra é do DEM, mesmo partido que a prefeita de Ribeirão Preto Dárcy Vera. O Deputado é vice-presidente nacional do Partido e Dárcy, junto com o Prefeito de São Paulo Gilberto Kassab são "ESTRELAS" do partido. O encontro com o Deputado se deu num evento da Executiva Nacional do DEMOCRATAS MULHER" em Brasilia. Eu sou a Presidente do Diretório Municipal do Mulher Democratas".

Obrigada meu amigo,

abraços da Dulce 
Enviada por: Benildo Delai
Postada em 10/11/2010
Deus a pior droga (ou a melhor...)

Antes que alguém me conteste dizendo que as drogas (maconha? cocaína...) de verdade, matam, destroem famílias, etc... vou contra atacar dizendo que as religiões em nome de um suposto deus já fizeram bem mais que isso...

E não vou nem perder tempo em relatar a história, quem não tem conhecimento e quiser tomar ciência que use a internet, hoje uma excelente ferramenta e vá de link em link buscando as informações que desejar...

O que pretendo desenvolver, é o raciocínio de que cada individuo escolhe seu caminho, ou melhor, faz uma opção, frente ao mundo em que se encontra. Uns tem clara noção, outros são induzidos a um vício... Dizer eu sou livre é temerário...

Feliz daquele que em dado momento tiver uma paranóia e perceber a gama de armadilhas que uns pregam nos outros. Tão somente para ter dinheiro para comprar o leite para as crianças. Vivemos rodeados de armadilhas até mesmo nos convívios mais próximos e não nos damos conta. A menos que circunstâncias nos joguem acidentalmente na fogueira.

Álcool, fumos, cocaína, ginástica, remédios/venenos, desleixo/mania de limpeza, comida, poder, deuses (se for um só deus, muito pior), comércio/dinheiro, hipocondria, compulsões, etc. etc. uns mais outros menos. Aquele que fizer a opção pelo “menos” ao estremo deve receber a atenção redobrada da sociedade!

O pior é que arautos bem intencionados da nossa bela sociedade acham que as drogas devem ser proibidas, quais? A maconha que faz menos mal que cigarro, a cocaína que usada com moderação é melhor que todos os fármacos... Outra coisa, se proibirmos todas as drogas (se é que isso é possível) onde é que vamos desaguar todas as nossas magoas? E resultando em mais violência.

Nem sei como abordar, mas quero deixar registrado que é conhecido no meio dos dependentes, o chavão de que certas instituições ligadas a recuperação “trocam uma droga por outra”. E é por aí que vemos que a insanidade às vezes dos especialistas é maior do que os seus pacientes!

Na maioria das vezes os vícios são fugas, necessárias, para agüentar a dureza em que a sociedade colocou determinada pessoa. Alguns tem trânsito livre, outros não são tão convenientes assim. Explicando, a droga deus, por exemplo, mantém o viciado mais ou menos útil, enquanto que a droga comida, logo trará complicações orgânicas. Já drogas como: modismos, remédios, poder e assemelhados, tem relativo controle social e ainda é “benéfico”.

Todos os dias somos bombardeados por tentações e promessas de felicidade, recompensa, gratidão, por conta de optar por um determinado vício, alguns sutis outros nem tanto.

Mas de uma maneira ou outra quase todos os humanos lançam mão de drogas para abreviar os sofrimentos. Se estamos bem nem necessitamos delas, mas quando as coisas se avolumam não há como fugir. E indistintamente todas as drogas têm a mesma aplicação: Morreu alguém próximo, perdeu a namorada, saiu de um dia exaustivo, passou/reprovou de ano...


Benildo Delai
R.Romão Chrun, 860 – Cascavel – PR.
Fone: 9936-2366 / 32274667
Profissão: Subprefeito do distrito de São Salvador (agricultor) 
Enviada por: Ivan Zuchi
Postada em 10/11/2010
Caros colegas jornalistas, tenho estranhado os últimos releases enviados pela assessoria da Acamop. Vocês não? Na semana passada chegou uma matéria com o termo “relize” e hoje o que parece ser um “release” sobre o I Encontro de Vereadores citando a presença do deputado “DIRCEU” Sperafico. Seria por acaso o deputado Dilceu Sperafico? No mesmo release aparece “estarão presente...” e ai cita uma série de nomes.
Nos textos anteriores que recebemos, verificamos dezenas de erros de concordância, acentuação e de estruturação de texto.
Pergunto: “Será que a Acamop não consegue encontrar um jornalista entre tantos formados em Cascavel para fazer a sua assessoria de imprensa”?
Convenhamos, qualquer criança de 12 anos é capaz de produzir textos melhores e mais compreensíveis.
Considero a qualidade do material enviado pela Acamop um desrespeito aos profissionais de jornalismo de Cascavel e aos veículos de comunicação.
Acho que o caso merece pelo menos algumas linhas de protesto por parte dos colegas.
Sem nenhuma pretensão de ser melhor do que ninguém, acho que Cascavel se transformou numa referência na imprensa paranaense e por mais que se possa questionar a qualidade na formação acadêmica, seguramente não faltam profissionais qualificados para oferecer à Acamop uma assessoria mais qualificada. Protesto!

Abraço a todos
Ivan Zuchi
RÁDIO INTEGRAÇÃO METROPOLITANA AM 
Enviada por: João Passos
Postada em 10/11/2010
Prezado Jairo Eduardo, boa tarde!

Agradeço a lembrança dedicada pelo Pitoco referente ao primeiro aniversário da NOVA FM.
Com descrição e com os pés no chão, a NOVA FM vai crescer e chegará ao lugar desejado por todos nós.
Você e toda a equipe do Pitoco tem uma grande participação neste sucesso com uma parceria sólida e de cumplicidade,
parceria esta só viabilizada quando nos dois extremos existe as palavras credibilidade e confiança.
Grande abraço e estamos sempre a disposição.

--
João Passos
Rádio Nova FM 93,9 
Enviada por: João Paulo Hisatugo
Postada em 10/11/2010
Oi Rejane, muito obrigado pela matéria da revista.
Ficou realmente muito bonita.
Agradece o Vanderson pelas fotos, e também pela forma que me retratou.
Ganhou um amigo.
Com carinho
João Paulo Hisatugo 
Enviada por: Benedito Tuponi
Postada em 10/11/2010
Prezado Jairo,
lendo o pitoco de ontem, ed. 1316 - quando vc destacou o exemplo de curitiba, quanto aos pardais, quero destacar mais uma coisa muito importante e prova da transparência e seriedade de um governo municipal, que não busca colocar meios de fiscalização para obter receita somente, quando se fala tanto em industria de multas.
Pois é, lá em curitiba, antes dos locais onde o pardal está instalado, há um aviso da prefeitura alertando sobre a existência do pardal, e sabe como? A aproxidamente 50 m. do local, foram colocadas faixas coloridas na pista, alertando os motoristas.
Isso sim que é administração responsável e séria, não foi a toa que o homem se relegeu com 82% da votação, ano passado.
Isso sim é o que se pode chamar de fiscalização de trânsito preventiva e não punitiva.
Ah que bom se a moda pegasse por aqui, onde só se fala na indústria da multa.
ficai com DEUS
abs
Benedito Tuponi 
Enviada por: Alisson
Postada em 10/11/2010
Boa tarde Jairo,


A respeito de uma nota na edição 1313 do Pitoco, que tratou da publicação em duplicidade de atos oficiais no jornal Gazeta do Paraná, presto as seguintes informações:

1. Nós identificamos a falha em questão, sendo que a Projur inclusive formalizou o caso, por meio da CI 126/2009/ATL, em 13 de março;
2. O Município não pagará a segunda publicação, bem como não pagará a publicação incompleta do Decreto 8704/09;
3. Na segunda-feira notificaremos o Jornal para que se manifeste sobre as falhas;
4. A Lei 5.154, publicada em 05 de fevereiro de 2009, que criou o órgão oficial, estabeleceu o prazo de 90 dias (artigo 5o) para regulamentação. Neste prazo, temos que elaborar o regulamento, realizar testes do novo sistema, licitar a empresa que vai imprimir o órgão, buscar uma rescisão consensual com a Gazeta ou fazê-lo unilateralmente. Tudo isso está em andamento e envolve um ritual burocrático que buscamos fazer o mais rápido possível. Certamente, teremos tudo pronto antes do prazo de 90 dias, embora minha expectativa inicial fosse colocar em órgão em funcionamento até meados deste mês.

Abraço,

Alisson